Waleska Farias - Gestão de carreira e imagem



Não Deixe a Vida Lhe Levar Não Deixe a Vida Lhe Levar

Reserve para si as decisões cruciais.

A minha proposta a você é um desafio: faça uma profunda revisão de vida. Não do seu passado, mais a respeito do seu presente e sobretudo do seu futuro. Não vou lhe deixar sozinho. O meu cotidiano é singelo, e sincero. E lembre-se, de nenhum modo e de maneira alguma, protele. Não deixe a vida lhe levar.

Argumento com uma quase anedota: “Nunca antes na história mundial as mudanças foram tão profundas e tão rápidas”. É meu caro leitor, e isso não é conversinha de palanque. Se no passado recente, sofriam os passivos e reativos – hoje sofrerão até mesmo aqueles que são proativos. Além da alta iniciativa, estes terão que surfar nas ondas do caos. Terão que se antecipar às ondas. Esta é a nossa sina.

Os seguintes vetores não são regrinhas. São avenidas para a construção do futuro.

Vetor 1: A dúvida.

Duvide de tudo que no passado era certo e decidido. Isso quer dizer mais ou menos que não é para apostar em demasia naquelas certezas quase absolutas. Não é para abraçar de maneira desmedida qualquer empreendimento, negócio, empregador ou mesmo liderança. Mantenha de maneira sensata um pé atrás. De tudo e de todos. Sem exceção. Isso tudo sem esmorecer diante dos desafios cotidianos, das responsabilidades que afloram, e das obrigações que lhe bonificaram. E sem perder o sentido de compromisso.

É para ficar com um olho no peixe (o seu emprego, sua carreira) e outro no gato (o mundo em constante mudança e volátil). Mas guarde estrategicamente forças. Reserve para si as decisões cruciais. Aprenda a conviver em aparente incoerência. Tenha a ansiedade como companheira. Despeça-se da segurança indelével que terceiros lhe prometem (cuidado: há mentira em suas palavras).

Pessoas inteligentes tem a habilidade e a capacidade de conseguirem conviver com duas idéias antagônicas em suas cabeças sem ir à loucura. Mantenha-se pontual, organizado e obediente. Mas alimente aquele monstro louco dentro de você. Você não vai se arrepender.

Vetor 2: A dedicação.

Dedique-se a si mesmo, como um vestibulando em novembro. Pense só em si. Seja egoísta. Entregue-se a si mesmo como uma noiva apaixonada em lua de mel. Dê foco total na sua carreira, no seu preparo, na sua visibilidade, no seu futuro, no seu caminhar. Ninguém mais pode. Ninguém mais fará! A verdade neste ponto é quase plena: no fundo, no fundo, você é um lobo solitário. Aprenda a viver assim e a conviver assim. Será mais seguro para você e para aqueles que estão perto de você. E muito mais para aqueles que dependem de você.

Durma menos. Alimente-se bem – de corpo e de alma. Seja determinado com seus objetivos pessoais. Pense primeiro em você. Não deixe que os outros determinem seus destino ou seu futuro.

Vetor 3: O digital.

Seja um conectado. Não importa o que outros achem, não importa o que lhe digam, não importa o que lhe peçam, não importa o que lhe mandem. Se prepare para as forças do contra. Estar na Web quase que 24 horas vai gerar loucura em familiares (a começar pela esposa), desprezo por parte de seus pares, raiva pelos chefes e patrões, e consternação do seu alter ego. Domine os todos. Drible a resistência. Dissimule, faça de madrugada, de dentro do banheiro, escondido, como um adolescente sapeca. Se vire!

A ênfase não está nos instrumentos, nas plataformas ou na própria web. A chave aqui, para ser digital são os novos e significativos verbos: postar, uploadear, downloadear, twitar, re-twitar, navegar, linkar …

Mergulhe com sabedoria. Como conciliar o curto tempo, as demandas e não perder seu casamento? A única coisa que sei é que no meu caso o mérito é 100% do lado de lá. Então se você não é um privilegiado, cara o desafio amplia e muito. De novo – concilie suas duas esposas – ou melhor: as duas amantes que consomem seu tempo e sua atenção sem ir à loucura.

Vetor 4: A dependência.

Isso mesmo. Dependa de seus pares, de seus amigos, de gente de bem com os quais você realmente possa contar. E mais do que tudo, se torne disponível aos outros. Dependa deles de forma cordial, equilibrada e sensata. Mas dê mais, e receba menos. Seja você o mais forte. O que mais apóia, o que melhor ajuda, o que enfim colabora e contribui. E na medida do possível aproveite da camaradagem e do altruísmo da sua turma.

Uma das coisas boas que a Web pode lhe dar são novas amizades, novos pares, nova turma, nova gente. Que como você está vivendo boa parte do tempo com o boné da solidão. Com igual sabedoria, transforme a sua solidão em solidariedade. E de lobo solitário seja também um bobo solidário. O mundo será transformado pela compaixão.

Bem hoje são quatro vetores. Para sua jornada, para o seu futuro, para o seu sucesso. Não acredite em tudo que escrevo. Você pod,e inclusive, discordar. Mas uma coisa faça: não deixe a vida lhe levar!

Volney Faustini é blogueiro, autor e estudioso do impacto da Internet e das tecnologias na sociedade. Seus blogs são: http://volneyfaustini.wordpress.com e http://meufilhodigital.blogspot.com

Waleska Farias
Coaching, Carreira e Imagem.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
cadastre-se e receba nossas novidades »