Waleska Farias - Gestão de carreira e imagem



Definição de Valores: O Fundamento Para a Construção da Marca Pessoal Definição de Valores: O Fundamento Para a Construção da Marca Pessoal

“O homem gosta de acreditar-se senhor da sua alma. Mas enquanto for incapaz de controlar seus humores e emoções, ou de tornar-se consciente das inúmeras maneiras secretas pelas quais os fatores inconscientes se insinuam nos seus projetos e decisões, certamente não será seu próprio dono” (O Homem e Seus Símbolos, Carl Jung)

Muito se tem falado sobre a construção de uma marca pessoal, e boa parte das matérias publicadas recentemente sobre o assunto, confunde o tema com a expressão marketing pessoal.

Marca pessoal diz respeito a uma imagem real construída ao longo da existência por qualquer ser humano, com base em valores, que tanto podem ter características positivas (adequados aos padrões da sociedade), como negativas (criticados por essa mesma sociedade).

Valores considerados positivos são aqueles que resultam da vitória do ser humano sobre seus ‘’humores e emoções’, como a tolerância, a cordialidade, ou a serenidade, só para citar alguns; enquanto os valores tidos como negativos são aqueles originados na impulsividade, produzida pelos instintos animais que ainda carregamos latentes em nosso subconsciente, tais como a preguiça, a camuflagem (falsidade ou mentira na linguagem atual), e a ferocidade. É com base nesses valores, que iremos construir o conceito de nossas marcas pessoais.

Já o marketing pessoal pode ser definido pela forma como utilizamos esses conceitos em nosso benefício. Ou seja, construímos uma imagem comercial elaborada a partir de valores que apreciamos, sejam eles negativos ou positivos; e assim, podemos nos “vender’ para o mundo como uma pessoa sensata, equilibrada, bem humorada; ou ganhar fama e dinheiro com a imagem ou conceito de trapaceador.

Naturalmente, não estamos discutindo aqui o conceito de certo ou errado. Deixemos isso para ser tratado pela sociologia ou pelas religiões.

No universo empresarial, vamos encontrar marcas cujo conceito está sustentado pela idéia de preço baixo. Embora isso possa significar qualidade duvidosa, pois marcas de alto valor agregado têm como maior atributo o somatório de características intangíveis, concebidas pelo consumidor como status, ou sofisticação. Em ambos os casos ocorre uma decisiva percepção de valores, atribuídos pelo consumidor, o qual estará disposto a pagar o preço para satisfazer sua apreciação pessoal.

Luxo, conforto, segurança, modernidade, liberdade, cultura, poder, aventura, sedução, são alguns exemplos de valores que podemos apreciar com maior ou menor intensidade, a ponto de, conscientes ou não, sacrificarmos nossa existência por eles. Na construção da nossa marca pessoal não é diferente. Precisamos ter plena consciência dos valores nos quais acreditamos para construir um conceito claro diante dos demais à nossa volta.

Para tanto, é imprescindível que nos sintamos senhores de nossas almas - na linguagem de Carl Jung - seguros de nossas escolhas, para formatar projetos que poderão ser decisivos para nossas vidas, tais como uma carreira profissional, um empreendimento financeiro ou um simples relacionamento.

Não importa se algumas decisões do passado foram equivocadas por imaturidade, ou se alguns caminhos foram inadequadamente escolhidos, por impulso, como atalhos: O que conta é que nossa consciência seja despertada’para os valores com os quais nos identificamos.

São esses valores e conceitos que conscientemente escolhemos como nossa marca registrada que irão definir o roteiro da nossa história; e “só você tem o direito de escrever sua própria lenda”. (O Mentor Virtual - Pág. 270 - Editora Komedi – Campinas-SP). Esse pode ser o momento em que começamos a nos tornar donos de nós mesmos. Senhores do nosso destino.

Maurício A. Costa
Coach, Branding Advisor, Personal Branding e Consultor para o Marcas Fortes.
marcasfortes.blogspot.com

Waleska Farias
Coaching, Carreira e Imagem.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
cadastre-se e receba nossas novidades »